Publicidade - OTZAds

Sócrates Jogador

Biografia de Sócrates Jogador

Biografia de Sócrates Jogador

A biografia de Sócrates jogador, conta somente uma pequena parcela de todas as suas vivências vivências. Começamos o texto, com uma frase sua onde diz:

‘Minhas vitórias políticas são mais importantes do que minhas vitórias como jogador profissional.Uma partida termina em 90 minutos, mas a vida continua”.

Bem como, estas são as palavras profundas e potentes de Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira, conhecido simplesmente como Sócrates.

“Em campo, com seu talento e toques sofisticados, ele era um gênio.

Fora de campo… ele era ativo politicamente, preocupado com seu povo e seu país”, disse a ex-presidente brasileira Dilma Rousseff em 2011, após a morte de Sócrates.

Socrates no futebol e na política

Embora ele fosse um jogador com talento e talento incríveis, foi seu brilhante casamento entre o jogo e a política que mostrou seu inegável dom intelectual.

Magrão, como era carinhosamente conhecido, Sócrates entrava em campo com bermuda, barba preta e longos cachos encaracolados que ficavam sob a faixa de sua marca registrada ou pendurados no pescoço, e teciam sua magia.

Publicidade - OTZAds

Ao contrário da maioria dos jogadores de futebol, ele não se tornou profissional até os 20 e poucos anos, pois estudava medicina ao mesmo tempo.

Apesar de ter pés de futebol ambidestros, ele certamente não se considerava atlético e admitiu que não havia aperfeiçoado seu corpo para as demandas atléticas do futebol desde tenra idade.

No entanto, ele começou como centroavante no final dos anos 1970, antes de se tornar um meio-campista magnético que conquistou muitos corações.

Contudo, Isso é parte do que tornou Sócrates tão especial: ele era diferente de qualquer outro jogador de futebol e mal correspondia às expectativas.

Bem como, o fumante inveterado bebedor de cerveja, que podia consumir até duas caixas de cigarros por dia, queria ser aceito por quem era. “Sou ante atleta. Não posso negar a mim mesmo certos lapsos do regime estrito de um esportista”, disse ele.

Enfim, Sócrates jogou por um dos maiores clubes esportivos do Brasil: o Corinthians Paulista em São Paulo, um time fundado por homens da classe trabalhadora na percepção de que os clubes de futebol profissional da época eram formados por – e para – a elite.

O melhor time que nunca ganhou uma Copa do Mundo

Sendo assim, nas Copas do Mundo de 1982 e 1986, Sócrates foi capitão da Seleção. Do mesmo modo, Essa seleção encantou os brasileiros; eles adoravam o futebol original que era jogado ao seu ritmo de capoeira e rugiam sua admiração nos estádios, onde um espírito de convívio dominava.

Nas palavras de Sócrates: “O futebol tem uma relação íntima com a dança, dando plataforma a diferentes formas de expressão”.

Principalmente, tendo vencido a Copa do Mundo em 1958, 1962 e 1970, o Brasil não esperava perder para a Itália na fase de grupos da edição de 1982 da final mundial.

Além disso, os sul-americanos ostentavam “uma constelação de estrelas” como Zico, que jogava com zelo; Falçao, com talento; e Sócrates, com ritmo tranquilo sob o comando do técnico Telê Santana.

A Itália – que até aquela partida havia jogado de forma mortificante – eliminou o Brasil por 3 a 2 com um hat-trick de Paulo Rossi.

Biografia de Sócrtaes Jogador

Em louvor à glória, não à vitória: torcedores brasileiros comemoram um gol de Sócrates em uma partida da fase de grupos da Copa do Mundo da Fifa, em 5 de julho de 1982, disputada entre Itália e Brasil.

Apesar do placar de 3 a 2 a favor da Itália, a seleção brasileira foi muito aplaudida no retorno. (Mark Leech/Offside/Getty Images).

A talentosa seleção de Sócrates

A talentosa seleção brasileira de Sócrates pode não ter vencido uma Copa do Mundo, mas ocupa uma posição de destaque na história do torneio e do belo jogo. Eles são reverenciados mais do que outros times que ganharam o prêmio máximo do futebol.

A equipe se inundou de amor e adoração em seu retorno ao Brasil da Espanha, reforçando a ideia de que não se tratava de vitórias, mas de glórias.

A derrota não incomodou Sócrates, pois vencer não era sua prioridade. Ele foi citado como tendo dito: “Aqueles que buscam apenas a vitória buscam conformidade”. Seu foco era a expressão do futebol como arte.

Em uma entrevista de 2010, ele disse, entre goles de Stella Artois e com os olhos injetados: “Eu vejo o futebol como arte. Hoje a maioria das pessoas vê o futebol como uma competição, um confronto, uma guerra entre dois pólos opostos… mas para começar, é uma grande forma de arte.”

Assistir a imagens granuladas de partidas antigas pode causar calafrios na espinha até mesmo do rival mais odioso.

O futebol suntuoso de Sócrates

O Brasil de Sócrates jogou um futebol suntuoso e orgânico com gols que deram um novo significado ao termo “joga bonito” – jogar lindamente.

Uma partida recente em novembro entre o Corinthians e seu rival, o Palmeiras, no Estádio Municipal deixou muito a desejar em termos de talento e arte.

Publicidade - OTZAds

Mas o clima – em um jogo assistido apenas por torcedores do Palmeiras – era emocionante, e o estádio fervilhava. Em 2016, um espectador foi baleado e morto durante uma briga entre torcedores do Corinthians e do Palmeiras, resultando na proibição de torcedores visitantes que assistiam aos clássicos de São Paulo.

O Corinthians não joga mais como antes, mas ainda é um clube politicamente consciente. No aniversário do golpe de 1964 que o presidente Jair Bolsonaro queria comemorar, o Corinthians postou um tweet mostrando Sócrates de costas em um kit que dizia Democracia Corinthiana com respingos de sangue.

Marcando gols enquanto alcança a democracia

Em 1964, a junta militar usurpou o poder por meio de um golpe apoiado pelos Estados Unidos, removendo o ex-presidente João Goulart do poder.

Sócrates absorveu a democracia por meio de suas ações, tendo visto seu pai – um homem da classe trabalhadora que subiu na hierarquia – recebendo a mão repressora da ditadura que torturava intelectuais e pobres e matava rivais políticos.

“Eu tinha 10 anos e me lembro de meu pai queimando livros sobre os bolcheviques. Isso começou meu interesse pela política. O futebol veio por acaso”, disse ele.

O campo de futebol era um dos poucos lugares onde os jogadores podiam se expressar sem temer uma reação massiva do estado brutal, e onde os torcedores podiam desfrutar de jogos e escapar da realidade sombria de sua experiência vivida em um Brasil cedendo sob um regime repressivo.

O Corinthians formava um grupo de homens com consciência política que queriam acabar com o autoritarismo.

Os jogadores se sentiram restritos e sem poder quando as decisões foram tomadas por eles, pelos escalões superiores do futebol e, portanto, imaginaram um novo sistema de gerenciamento.

O foco na expressão democrática levou a discussões não apenas sobre filosofia, literatura e política, mas também sobre uma variedade de questões socioeconômicas e políticas enfrentadas pelos cidadãos brasileiros.

Palavras não podem descrever a importância política do movimento socialista dentro do clube chamado Democracia Corinthians, que foi co-fundado pelo igualitarista de esquerda Sócrates.

Ele usou a equipe como uma embarcação para a conscientização política e para a concretização de um Brasil democrático, essencialmente ajudando a catapultar o país da ditadura militar para a democracia.

“Basicamente, nosso objetivo era democratizar a expressão. Nosso grupo trabalhou no mundo do futebol e decidimos votar em tudo”, disse.

A política do futebol

A política era uma roupa vestida dentro e fora do campo, literal e figurativamente.

Fora do campo, a equipe personificava a democracia ao decidir tomar decisões inclusivas e comunitárias que incluíam até mesmo a faxineira.

As decisões incluíam quando almoçar, a que horas se reunir para o treino, quando ir ao banheiro e até mesmo se deveriam ficar com a equipe horas antes do jogo.

Em campo, a equipe costumava usar uniformes de futebol com slogans anti-ditadura em uma subversão clara e discreta.

Em um caso, Sócrates tinha uma faixa na cabeça com as palavras “Sem violência”. A equipe usava um kit com as palavras “Democracia” e “Corinthians” estampadas nas costas na fonte usada pela Coca-Cola e em vermelho para simbolizar o sangue.

Em 1983, o time entrou em campo com uma faixa que dizia: “Ganhe ou perca, mas sempre com democracia”. Esse foi o ano em que eles ganharam o campeonato paulista.

Mas eles entregaram talvez sua mensagem mais importante antes de 15 de novembro de 1982.

O Voto

Nem uma única sílaba precisou ser pronunciada para convencer os brasileiros a votar quando os jogadores vestiram camisas que tão claramente exigiam ação com as palavras “Dia 15 Vote” impressas na parte superior de suas camisas. Camisas em preto e branco. Era instrutivo e direto, mas não declarava um partido político.

Era inimaginável afirmar sutilmente qualquer coisa política sob o regime opressivo de uma ditadura militar, mas essas declarações políticas foram feitas e claramente influenciaram uma geração a lutar contra o sistema e reimaginar o que o futebol significava politicamente.

O povo saiu e votou, levando o capitão pouco ortodoxo, cuja equipe decidiu usar o futebol como plataforma de conscientização política, a avançar com seus esforços pela redemocratização do país.

Em 1984, o movimento atraiu 1,5 milhão de pessoas para um comício na movimentada São Paulo, exigindo eleições presidenciais democráticas.

Sócrates, a contragosto, mudou-se para a Itália para jogar pela Fiorentina por uma temporada, depois de sua transferência internacional depender da aprovação de uma emenda que permite eleições presidenciais.

Sua decisão política levou à infelicidade na Itália, onde o futebol não era tão extravagante e orgânico.

Mas ele foi recompensado quando Fernando Collor de Mello chegou ao poder em 1989, após as primeiras eleições presidenciais do país desde 1960.

Sócrates acabou deixando o futebol temporariamente, concentrando-se em sua prática médica por alguns anos. Sua determinação inabalável se manifestou novamente quando ele fez uma pausa na medicina e no futebol para se dedicar às artes, escrever e dirigir.

Publicidade - OTZAds

Metade homem, metade incrível

O meio-campista esguio foi um goleador prolífico, um jogador tecnicamente talentoso que aperfeiçoou o jogo para outros jogadores em campo com um futebol de ataque fluido e um calcanhar mágico que levou o lendário atacante Pelé a dizer que Sócrates jogava futebol “melhor para trás do que a maioria dos jogadores que frente”.

Antes da Copa do Mundo de 2014, que foi sediada pelo brasileiro apaixonado por futebol, Sócrates criticou o gasto frívolo de dinheiro público em um evento privado.

O Brasil só havia sediado a Copa do Mundo uma vez antes, mas desta vez teve que sediar em meio à incerteza política e social.

Nos seus últimos dias, Sócrates lamentou a forma contemporânea de futebol, que, segundo ele, havia perdido a sua verdadeira função de desencadear a arte da expressão.

O futebol deixou de ser artístico, estético e alegre. Em vez disso, os jogadores estavam agora tranquilizados na subserviência e focados na vitória.

Biografia de Sócrates Jogador

Doutor Sócrates. (Alfredo Rizzutti/Agência Estado)

“Ganhar não é o mais importante. O futebol é uma arte e deveria mostrar criatividade. Se Vincent van Gogh e Edgar Degas soubessem o nível de reconhecimento que teriam, não teriam feito o mesmo. Você tem que gostar de fazer arte e não pensar: ‘Vou ganhar?’”

Como médico, tratou sua saúde com terrível indiferença e se hospitalizou por doenças relacionadas ao fígado por 24 dias. Ele estava em suporte de vida antes de sucumbir às suas doenças.

Sendo assim, no dia de sua morte, a Fiorentina – que jogava contra a Roma – homenageou Sócrates com um minuto de silêncio e o saudou com uma vitória. Ele jogou 25 jogos e marcou seis gols para a equipe.

Sendo assim, ganhou três campeonatos paulistas com o Corinthians: em 1979, 1982 e 1983. Fez 60 partidas entre 1979 e 1986 e marcou 22 gols. por fim, ele foi introduzido no museu de futebol Wall of Fame perto do Estádio Municipal, antigo Estádio do Pacaembu, e casa do Corinthians.

Há uma série de razões ecléticas pelas quais Sócrates se faz lembrar em todo o mundo. Mas, principalmente, ele lembrará sua resistência política à ditadura, por usar o futebol como interlocutor e por trazer uma nova consciência política que não era característica de um jogador de futebol.

Enfim, mais de 1.000 pessoas compareceram ao seu funeral em Ribeirão Preto, São Paulo, e seu nome, sem dúvida, continuará a sair dos lábios das próximas gerações.

Leia também:

Hidratação: Porque Você Precisa Cuidar Da Sua
Descubra como o chá ajuda na sua saúde
Saiba tudo Sobre Glutamina

+ posts

Sou amante de conteúdos digitais e com o desenvolvimento da tecnologia e da Internet, passamos a viver sob novos paradigmas.

Escrever um comentário

10 × 1 =